quarta-feira, 4 de julho de 2007

2º DIA do 13º SBSR - PALCO ON FIRE!!!!

A caminho de casa, depois de um mágico e fantástico concerto, ainda me faltam adjectivos, luto arduamente para encontrar as palavras adequadas que possam descrever o que assisti e que o senti.

Eram cerca de 25 mil para um ambiente muito distinto do primeiro acto.

Cores garridas, publico mais adolescente, mas a mesma vontade de saltar e vibrar com cada uma das bandas presentes. Estavam iniciadas as hostilidades para este segundo dia do maior festival do Mundo!!!

Os britânicos Klaxons, embora em estreia no nosso país depararam-se com uma considerável legião de fãs. O seu punkdance foi prejudicado, no início pela péssima qualidade de som mas conseguiram aquecer uma plateia que continuou em festa e adrenalina!



Pura energia foi o que senti quando entraram em Palco os Bloc Party. Ao meu redor todos saltavam, especialmente ao som de Banquet.



Batia a meia noite e a chuva ameaçou, qual diluvio mitológico, em transformar o palco numa moderna Arca de Noé, mas a arcada de fogo emergiu com a sua nova bíblia, e quem esteve presente no Parque Tejo assistiu, muito provavelmente, ao nascimento de uma nova religião.

A multidão estava ansiosa, e aos primeiros acordes de Black Mirror entrou completamente em êxtase! Alturas houve que roçou o histerismo e fanatismo, diria mesmo, fundamentalisto.

A conjugação de todos os elementos e respectivos instrumentos chega a ser equivalente a uma orquesta. Guitarra, bateria, acordeão, teclas, tamborim, violinos, tuba, trompetes e mais e mais!!

As 10 vozes em uníssono são tão graciosas quanto um coro de gospel, e cantam com a alma de quem verdadeiramente sente o que faz. Certamente que há bandas mais harmoniosas e virtuosas, mas garantidamente poucas trasmitem a energia que estes canadianos irradiam!

Numa das guitarras, Win Butler tinha escrito com fita adesiva, “Sak Vide Pa Kanpe”, um provérbio Haitiano que significa “Um saco vazio não se consegue manter de pé”, e quem melhor que eles para o simbolizar... Eles tão cheios de boas vibrações, tão cheios de simbolismos, tão cheios de boas canções, tão cheios de tudo.

E assim fomos embriagados pelo seu som até ao fim de uma majestosa actuação, que culminou com um encore de um unico tema, talvez o melhor de todos, Wake Up.

Todos ficaram certamente satisfeitos, e nem a curta duração do concerto desiludiu o mais acérrimo fiel seguidor da que muitos dizem ser a melhor banda indie dos nossos dias... os Arcade Fire.

13º Festival SBSR
Pedro Matos

Vê as entrevistas e outras reportagens em:
SBSR Live TV

8 comentários:

Tiago Abreu disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Tiago Abreu disse...

Só tenho um comentário a fazer, que é em relação às t-shirts oficiais no 2º dia já não haviam. Como só fui neste dia não pude ficar com uma e ficar com uma recordação do festival. De resto 5 estrelas...

[catarina]* disse...

Sem duvida que foram concertos espectaculares!!
Venham mais!
=D

Joana disse...

Eu nem sei o que senti...
Klaxons foi altamente energético, Bloc Party contagiante, Arcade Fire, o melhor de todos! Os nervos percorreram o corpo todo desde que entraram no palco até sairem. A interacção com o publico, cada sorriso para nós... Rebellion e Wake Up, sem dúvida os melhores temas.
Mas que dia, o melhor festival de sempre

Joana disse...

Ah, eu apareci na televisão entrevistada :D

Anónimo disse...

tambemm fiqei triste em relacao as t-shirts..
mas o qe era mesmo porreiro era podermos ver as filmagens dos concertos.. mas foi d+.. ainda tremo qando penso.. bloc party & arcade fire.. meu deus..

13º SBSR disse...

Olá Tiago.

Hoje, as t-shirts vão estar disponíveis no recinto do SBSR, nas bancas de merchandising do Festival.
Qualquer dúvida manda-nos um email para o sbsr2007@gmail.com com o teu endereço de email para te podermos contactar.

SBSR 2007

Lusco Fusco disse...

Apesar de ser baptizado, de ter feito a primeira comunhão e de ter escapado por milímetros ao tão desejado crisma - pela parte materna -, não me considero um ente católico. Até navego mais pelas águas da descrença, sem santos ou calendários de Fátima a nadar na carteira. Porém, depois do concerto dos Arcade Fire no SBSR, volto a acreditar que existe um lado espiritual que nos cerca, e que é possível voltar a ligar a corrente que se desligou no coração do homem.

Em palco, os Arcade revelam uma energia estonteante, uma entrega verdadeira e uma música sem artifícios. Por entre adereços cénicos que ajudaram a realçar o efeito de celebração, os fiéis devotos gritaram hinos e encheram-se de esperança. O único senão foi a curta duração da homilia, que não chegou a hora e meia. Ficámos, porém, com o coração cheio, ansiosos por mais um encontro espiritual com estes pregadores canadianos que insistem em nos mostram a vida através de uma música transcendental. Um concerto 5 estrelas - ou melhor, todas as estrelas de um céu brilhante.